Assembleia de Deus Ministério Belém
RUA FLAMINGO 239 PORTAL LARANJEIRAS CAIEIRAS – SP

CULTOS:

Terças e Quintas feiras ás 19:30

Domingo 18:00

Pastor Responsável : Adalberto Alves Pereira


Páginas

Ser de Deus: um grande desafio para o jovem hoje



















Diante das condições em que vivemos hoje no mundo, numa realidade em que tudo que é contrário à proposta de vida cristã, é mais chamativo e sedutor para jovem, fica cada vez mais difícil para a juventude compreender e corresponder ao chamado de Deus.
Hoje temos a internet e diversos meios de comunicação que são muito bons para quem sabe usar, mas que também pode destruir a vida de um jovem, marcando profundamente em áreas que estão em desenvolvimento como a sexualidade, ente outras. Hoje existe as Lan-house que muitas vezes servem como alvo dos traficantes de drogas para espalhar o vício entre os jovens, e diversas outras coisas que poderia citar, como boates entre outras. O mundo cada vez mais desenvolve a idéia de que tudo é normal e o bonito é ser diferente. Para Deus isto é mentira, o desejo de Deus é que sejamos nós, à imagem e semelhança Dele. O que o mundo faz é nos escravizar, nos afundando no pecado e nos afastando cada vez mais da nossa essência que é o Senhor.
É devido a esta realidade que quero através desta matéria levar você jovem a refletir sobre sua vocação, Deus tem um chamado para cada pessoa, e convido você neste momento refletir sobre qual chamado Deus tem para você... Com certeza Deus não escolheu para mim e para você uma vida de dependência das coisas do mundo, mas sim um vida livre Nele. A medida que optamos pelo Senhor nos tornamos livre e ganhamos a liberdade de sermos chamados filho de Deus.
A alguns Deus chama para a vida civil, tendo a vocação de construir na sociedade o seu espaço através de sua profissão, a outros Deus chama a viver uma vida religiosa dedicando-se inteiramente a Ele através de serviço a Igreja. Qual a sua vocação? Para onde que achas que Deus te chama? A resposta você encontrará apenas quando fizeres um caminho que te levará a um autoconhecimento. Para um passo consciente e maduro, se faz necessário acima de tudo sabedoria.
Se você deseja dar este passo e sente-se convidado por Deus a querer conhecer melhor que é “Servir ao Senhor de todas as formas com alegria”.
Em Mateus 4, 19-20, podemos perceber que quando Jesus chamou aos discípulos, radicalmente eles deixaram tudo e o seguiram, este convite para você hoje que não o aceitou ainda.

Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma.
(Mateus 11:28-29).
Deus te abençoe...

O JULGAMENTO E A SOBERANIA PERTECEM A DEUS



INTRODUÇÃO
Somos tentados a sermos senhores do nosso destino, como diz um conhecido poema,  capitães da própria alma. Nos tempos de “quem sabe faz a hora”, é comum às pessoas dispensarem os cuidados de Deus. Na lição de hoje atentaremos para a necessidade de não incorrermos no risco de julgar os outros. Em seguida, nos voltaremos para a soberania de Deus, diante das possibilidades das decisões centradas no ser humano. Por fim, destacaremos o perigo da arrogância humana, manifestada na presunção, e a importância da humildade na vida do cristão.
1. NÃO JULGAR OS OUTROS
As múltiplas atribuições eclesiásticas nos fazem esquecer de que somos membros da mesma família. Tiago nos lembra de que Deus, em Jesus, nos ensinou a amar uns aos outros, e a tratar o próximo como a nós mesmos (Tg. 2.8). Em relação aos nossos irmãos, quando os julgamos, nos tornamos senhores sobre eles. Devemos sempre lembrar que Deus, e não nós,  é o verdadeiro legislador (Tg. 4.12). Há crentes que não perdem a oportunidade de se colocar diante dos outros membros da igreja. Existem igrejas que, no sentido bíblico-etmológico do termo, são desgraçadas, os membros não têm misericórdia uns dos outros. Há aqueles que torcem, e em alguns casos, favorecem a queda dos irmãos e irmãs na igreja. Philip Yancey costuma dizer que encontra mais graça entre os Alcoólicos Anônimos (AA) do que em determinadas comunidades cristãs. Existem crentes capazes se sentir satisfação com a queda dos outros, e transformá-las em fofoca. E o pior, há os que não se preocupam em ajudar em ver o outro em condição de risco. Quando os vê caídos, ao invés de estender a mão, aproveitam a oportunidade para usar a língua contra o próximo. As igrejas, muito mais do que templos, deveriam ser comunidades de acolhimento. As igrejas não devem fomentar a discórdia, considerando que essa é uma obra da carne (Gl. 5.17-19). Muito pelo contrário, nossa tarefa é a de construir pontes, não muralhas diante dos nossos irmãos. A divisão na igreja, como ocorria em Corinto, é característica de congregações carnais (I Co. 3.1-3).  As “panelinhas” somente servem para incentivar a discórdia, a beleza da igreja está justamente na capacidades de conviver, inclusive com os diferentes. Quem nos julga é a palavra de Deus, ela aponta quando pecamos, e nos dar a possibilidade de arrependimento. Como cristãos devemos fazer o mesmo, até mesmo nos casos de disciplina, essa deve ser feita com amor, visando o reestabelecimento o transgressor (I Co. 5.1-13).
2. A SOBERANIA DE DEUS A BREVIDADE DA VIDA HUMANA
Somente Deus é soberano, isto é, Ele determina, ao Seu tempo, a realização dos seus desígnios. Devemos reconhecer que Deus é Senhor da Sua vontade, Ele não precisa pedir conselhos (Rm. 11.34). Por isso, faz-se necessário reconhecer que diante da complexidade da vida, é Deus que está no comando de todos as coisas (Tg. 4.14). Mas nós, enquanto seres limitados, não podemos determinar como será o futuro, mesmo que tenhamos os devidos cuidados (Pv. 27.1). Jesus reprovou a confiança própria ao contar a parábola do rico insensato (Lc. 12.16-21). Aqueles que acham que são senhores do seu destino, que não depositam sua confiança em Deus, não passam de tolos. Vita brevis, essa é uma declaração latina clássica, que quer dizer “a vida é breve”. Devemos ter sempre diante dos nossos olhos a realidade da morte. Se as pessoas se lembrassem disso de vez em quando, teriam motivos para serem mais humildes. Jó reconheceu que seus dias eram mais velozes do que a lançadeira do tecelão (Jó 7.6). E afirma ainda que nossa vida na terra pode ser comparada a uma sombra (Jó. 8.9) e como se isso não fosse suficiente, defende que o homem nascido de mulher é de poucos dias e cheio de tribulação (Jó. 14.1,2). Moisés, nas palavras de um salmo, também diz que “acabam os nossos anos como um suspiro, pois passa rapidamente e nós voamos” (Sl. 90.9,10). Não podemos ter a ilusão de que somos capazes de controlar nosso futuro. Evidentemente não estamos estimulando a falta de planejamento, que também é um equívoco. Antes devemos colocar nossos projetos diante de Deus, sabendo que somente Ele será capaz de levar nossos planos adiante. Como fazem as pessoas do presente século, não devemos imaginar que estamos no controle das nossas vidas. Quando o Titanic foi construído, tiveram a audácia de firmar que nem Deus seria capaz de afundá-lo, mas a história mostrou o contrário. A torre de Babel é um exemplo bíblico de projeto humano, distanciado das orientações divinas e que resultou em ruína (Gn. 11).
3. A PRESUNÇÃO HUMANA, UM PERIGO DIANTE DE DEUS
Somos seres frágeis, mas nem todas as pessoas se apercebem desse fato. Há aqueles que pensam que são indestrutíveis. Antes de qualquer coisa, destacamos nossa ignorância em relação ao futuro, e que nossa vida passa como um vapor (Tg. 4.14). Por isso, precisamos ter consciência da nossa dependência de Deus (Tg. 4.15). Trilhar o caminho da presunção é demasiadamente perigoso para o cristão. Isso porque a presunção nos faz acreditar que somos senhores do nosso destino (Tg. 4.16). Esse pensamento pode nos conduzir à desobediência, por desconsiderarmos Deus, tornando-O desnecessário. A desobediência premeditada conduz à apostasia, impossibilitando o retorno. Há cristãos que por desconsiderarem Deus, e se acharem senhores das suas vidas, se desviam do caminho. A mensagem de Pedro é de advertência a esse respeito: seria melhor que não tivessem conhecido o caminho da justiça, do que o conhecer e ter se desviado dele (II Pe. 2.21). Devemos seguir o exemplo de Jesus, que aprendeu a obediência ao Pai, e se submeteu até o fim à Sua vontade (Jo. 4.34). Fazer a vontade do Pai precisa ser nossa principal doutrina (Jo. 7.17). Paulo nos conclama a entender a vontade do Senhor (Ef. 5.17), além de ressaltar que essa é boa, agradável e perfeita (Rm. 12.2). Entregar-se à vontade própria é demonstração de presunção, é tornar-se escravo dos próprios caprichos. Ser cristão genuíno é uma atitude de rendição, uma disposição a dizer não a si mesmo, a confiar em Deus. Ser cristão é ponderar, e saber que não é senhor do seu destino, muito menos capitão da sua alma. Ser cristão é uma entrega incondicional à vontade de Deus, uma demonstração de confiança. Quando dependemos de Deus, fazemos nossos projetos, acompanhamos sua execução, mas estamos cientes dos nossos limites. E independentemente dos resultados, reconhecemos que Deus é o Senhor, e que tudo fará conforme Seus desígnios (Rm. 8.28).
CONCLUSÃO
A mensagem de Tiago é oportuna para os dias atuais, considerando que muitas pessoas tornaram Deus desnecessário em suas vidas. Há aqueles que acreditam em Deus, mas vivem como se Ele não existisse. Como cristãos genuínos, devemos colocar o Senhor em cada situação da nossa existência. As mais simples decisões do cotidiano podem ser postas aos pés do Pai, através da oração. Os cristãos, ao contrário do que afirma a filosofia humanista, não é senhor do seu destino, muito menos capitão da sua alma. A vida do cristão está nas mãos de Deus, Ele é, verdadeiramente, o capitão das nossas vidas e o Senhor das nossas almas.

Arena Castelão recebe festa do Centenário da Assembleia de Deus no Ceará




 


Mais de 60 mil convites foram distribuídos para a Celebração Será realizado neste sábado, 6 de setembro, uma grande festa de celebração pelos 100 anos da Assembleia de Deus do Ceará. O evento acontece na Arena Castelão, que tem capacidade para receber 63 mil pessoas. O preletor do evento será o pastor Josué Brandão, da Bahia. Estará presente também o cantor Nani Azevedo, do Rio de Janeiro e o Presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), pastor José Wellington Bezerra da Costa. Ao longo dos últimos meses, as ADs no Ceará, sob a liderança da AD em Fortaleza, tradicionalmente denominada de IEADTC – Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Templo Central – desenvolveram um calendário de eventos para celebrar os cem anos de pentecostalismo. Um dos principais acontecimentos deste conjunto de eventos ocorreu no dia 03 de Agosto, o Batismo do Centenário. O Batismo foi oficiado no Aterro da Praia de Iracema, tradicional ponto turístico de Fortaleza, onde se reuniram cerca de vinte mil pessoas para celebrar o nome do Senhor pela vida dos 3 mil novos convertidos que desceram às águas batismais naquela manhã. Vários outros eventos foram realizados para a comemoração do Centenário das ADs no Ceará, entre eles, a sessão solene na Câmara Municipal de Fortaleza; Relógio de Oração durante 100 dias, ininterruptamente; Congresso de Missões do Centenário; festa do 52º aniversário do Círculo de Oração; a Cantata do Centenário; e o Impacto Evangelístico “Fortaleza par Cristo” no qual foram realizadas ações evangelísticas em pontos estratégicos da cidade e em todos os bairros de Fortaleza, no último dia 30 de agosto. O entusiasmo do pastor Antonio José Azevedo Pereira, pastor-presidente da IEADTC, é plenamente justificado quando afirma: “Eis o tempo oportuno para redescobrirmos a nossa história, para ensinarmos aos nossos filhos o seu valor e para celebrarmos ao Senhor nosso Deus por tão grandes e extraordinárias vitórias”. O Ceará foi o segundo estado no Brasil onde a mensagem pentecostal assembleiana foi semeada, tendo sido levada pela irmã Maria de Nazaré em 1914 à Fazenda Lagoinha situada no atual município de Itapajé-Ceará.GVT

8° Congresso Escola Dominical

Escola Dominical – 4º Trimestre de 2014




 

PRÓXIMA REVISTA, DAS LIÇÕES BÍBLICAS, DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL, DA EDITORA CPAD. 

4º TRIMESTRE DE 2014.

A INTEGRIDADE MORAL E ESPIRITUAL: O legado do Livro de Daniel para a Igreja hoje.

COMENTÁRIO: ELIENAI CABRAL

Lição 1 - Daniel, Nosso "Contemporâneo" 
Lição 2 - A Firmeza do Caráter Moral e Espiritual de Daniel 
Lição 3 - O Deus que Intervém na História 
Lição 4 - A Providência Divina na Fidelidade Humana 
Lição 5 - Deus Abomina a Soberba 
Lição 6 - A Queda do Império Babilônico 
Lição 7 - Integridade em Tempos de Crise 
Lição 8 - Os Impérios Mundiais e o Reino do Messias 
Lição 9 - O Prenúncio do Tempo do Fim 
Lição 10 - As Setenta Semanas
Lição 11 - O Homem Vestido de Linho 
Lição 12 - Um Tipo do Futuro Anticristo 
Lição 13 - O Tempo da Profecia de Daniel

Vontade de Deus




















“Não havendo sábia direção, cai o povo, mas na multidão de conselheiros há segurança.” (Pv 11:14 RA).
“Procure bons conselhos e você terá sucesso; não entre na batalha sem antes fazer planos.” (Pv 20:18 NTLH).
“Porque com conselhos prudentes tu farás a guerra; e há vitória na multidão dos conselheiros.” (Pv 24:6 RC).
Confesso que, os versículos acima me deixavam incomodado. Até que, um dia, cheguei diante de Deus e questionei: “Senhor, tua Palavra afirma que na multidão de conselheiros há segurança, há vitória, há sucesso. Mas, no meu modo de entender, na multidão de conselheiros há confusão. Com muitos conselhos, eu fico confuso e, na maioria das vezes, não sei qual o melhor caminho a seguir”. Deus tem muitas maneiras de falar conosco. Às vezes, Ele usa as situações do cotidiano “do dia a dia”, para nos dar o entendimento da sua Palavra. Quantas escolhas um empresário tem de fazer por dia? Qual o percentual de acertos de suas escolhas? A quem ele pede conselhos? Infelizmente, fazemos parte de uma geração que, em sua grande maioria, não valoriza os conselhos e não assume os próprios erros. Mas por que não pedimos conselhos?

1. Não pedimos conselhos porque o nosso “orgulho” não nos deixa reconhecer publicamente nossas limitações. Nossa cultura vê a busca de conselhos como um sinal de fraqueza.

2. Não pedimos conselhos por causa da nossa “teimosia”. “Já tomei minha decisão, e não volto atrás.” 

3. Não pedimos conselhos porque não acreditamos ter amigos de verdade, “conselheiros confiáveis”.

4. Não acreditamos, de fato, que “Deus nos ama” e que as instruções contidas em sua Palavra constituem “o melhor” conselho para nossas vidas.

Entretanto, seja qual for o motivo para não pedirmos conselhos, a consequência de não fazê-lo é inevitável.
“Vocês não deram valor aos Meus conselhos e acharam que Minha repreensão era inútil. Por isso, vocês comerão os frutos amargos de sua desobediência. Já que seus planos foram semear ventos, vocês colherão tempestades.” (Pv 1: 30,31 - BV).
O aprendizado pode ser uma experiência dolorosa ou gratificante. Você aprende com o sofrimento... aprende com as perdas... aprende observando o que aconteceu na vida de outras pessoas... aprende com seus conselheiros... aprende com Deus, “com as instruções das Escrituras”.

A quem devemos pedir conselhos? Ao nosso cônjuge, aos nossos pais, a nossa liderança... e principalmente a Deus.

De quem devemos evitar o conselho? Do ímpio. “Bem-aventurado o homem que não anda no conselho dos ímpios...”.

Mesmo pedindo conselhos a outros, não estamos isentos de errar, pois a escolha é uma decisão individual de cada pessoa.

Moisés estava com o povo no meio do deserto e recebeu a visita de seu sogro. O velho e experiente Jetro viu a maneira como Moisés cuidava das questões do povo, como administrava tudo, e ao ver isso, se espantou. Moisés tinha uma administração tão centralizada que fazia com que ele trabalhasse demais! Jetro chamou então Moisés de lado e disse: “Não é bom o que fazes, logo desfalecerás, ouça a minha voz, e eu te aconselharei” Êxodo 18:17. Moisés então ouviu o conselho do experiente Jetro e colocou lideres entre o povo, chefes de mil, de cem, de dez, e a partir daí as coisas foram muito melhores. Através de Moisés vemos que Deus pode usar pessoas próximas de nós para nos orientar.

2 Crônicas 26:5. Outro exemplo e o rei Uzias enquanto deu ouvido aos conselhos do seu líder Deus o fez prosperar.

Assembleia de Deus em São Paulo - Ministério do Belém - Confira nossa Programação e Participe !

Ressuscitando os sonhos perdidos

JOÃO 20.1-8

Sonhamos com uma vida melhor; sonhamos constituir uma família; sonhamos adquirir uma profissão, ter um emprego; sonhamos comprar a casa própria, encontrar o amor da vida, sonhos ministeriais, sonhos para a nossa igreja, etc. Quem frequenta igreja evangélica tem uma grande chance de virar um sonhador.
Lendo a Bíblia e a história dos heróis da fé, descobrimos que pessoas comuns podem fazer coisas extraordinárias. Eu aprendi a sonhar muito cedo. Mesmo com muitas limitações familiares, sociais e econômicas eu acreditei de todo o meu coração que a minha vida podia ser empolgante, relevante, maravilhosa. Acredito que eu avancei um pouco na vida porque aprendi muito cedo a sonhar. Mas há algo perigoso sobre sonhos: eles podem morrer. E quando os sonhos morrem, no lugar deles fica um vazio imenso e uma dor que parece não ter fim.


VOCÊ JÁ TEVE SONHOS QUE MORRERAM? 
Um casamento que não deu certo? 
Um filho que traz amargura para a sua alma? 
Uma carreira que você não conseguiu trilhar? 
Uma viagem que você nunca conseguiu fazer? 
A casa que até hoje você nunca conseguiu comprar? 
Um ministério que você nunca conseguiu cumprir? 
O nascimento de um filho? 
Todos os que sonham já tiveram sonhos que morreram. 

POR QUE OS SONHOS MORREM?
1 - Alguns sonhos morrem por nossa causa. 
Porque cometemos pecados; 
Porque temos medo. 
Porque não aproveitamos as oportunidades; 
Porque temos preguiça; 
Porque não queremos pagar o preço. 
2 - Alguns sonhos morrem por causa das outras pessoas. 
Um cônjuge difícil; 
Um sócio que traiu; 
Um líder imaturo. 
3 - Alguns sonhos morrem por causa das circunstâncias. 
Doenças; 
Acidentes; 
Tragédias. 
4 - Alguns sonhos morrem por causa de forças espirituais. 
O Diabo e os demônios são especialistas em matar sonhos; 
Para o nosso próprio bem, Deus também poda sonhos. 

Sim, muitos sonhos morrem. E é doloroso conviver com isso. Mas existe uma boa notícia = EVANGELHO - Os sonhos podem ressuscitar.

DEUS TEM UM SONHO PARA OS QUE PERDERAM O SONHO. Pensem nos apóstolos. Durante três anos eles viveram um sonho, uma visão. O sonho de verem suas vidas livres do domínio cruel dos romanos. Sonharam com o Reino de Deus na terra e eles seriam os ministros. Sonharam com a presença de Jesus com eles por anos curando enfermos, multiplicando os pães, acalmar a tempestade, etc. Mas aí Jesus foi preso, humilhado, torturado e morto como se fosse o pior dos bandidos. Pareceu que o sonho acabou. O sonho morreu com o Mestre. Mas eles estavam errados. O sonho não tinha acabado, pois eram sonhos de Deus para a vida deles.  Na verdade o sonho estava apenas começando. Os sonhos de Deus para os discípulos ressuscitaram juntamente com Jesus e depois disso tudo ficou ainda melhor. Deus tem sonhos, tem uma visão para cada um de nós. Sonhos especiais e específicos. Deus te conhece pelo nome. Ele quer que cada um de nós viva os sonhos que Ele planejou. Hoje, através da história da ressurreição de Jesus, vamos aprender como renovar os sonhos de Deus para as nossas vidas. COMO RENOVAR OS SONHOS DE DEUS?

SAIA DA SUA ZONA DE CONFORTO. (v.1, 3). É preciso desejar de todo coração. É preciso sair da zona de conforto. É preciso interesse. É preciso buscar de todo coração. Pessoas acomodadas nunca vivem os sonhos de Deus porque não se dispõem a buscar diligentemente. Precisamos pagar o preço.

ABANDONE A VISÃO HUMANA (v.1,4-5). Nos dois textos é usado o verbo grego βλέπω = BLÉPO = um olhar superficial. Nossa visão humana consiste em nossos próprios sonhos, planos, desejos, cobiças, interesses, desejo de agradar a outras pessoas ou organizações, etc. Infelizmente a maioria dos cristãos permanece aqui. Muitos servem a Deus com intensidade e sinceridade, mas agem dentro de uma visão humana e por isso os seus frutos são escassos.

APROXIME-SE DE JESUS (v.6-7). Nesta hora é usado o verbo grego τηρέω = TERÉO = contemplar – um olhar um pouco mais atento. Observe que Pedro conseguiu enxergar o lenço porque resolveu entrar no sepulcro. Para conhecer os sonhos de Deus é preciso “entrar” no plano espiritual. A conexão com Deus vem de um período de intensa oração, jejum, estudo, meditação e até retiro espiritual. A conexão (união) com Deus acontece em um processo de santificação e contato com Ele.

VENÇA O MEDO (v.8). João toma coragem e entra no sepulcro. Viver os sonhos de Deus envolve riscos e lutas. Deus vai testá-lo para dar um passo de fé. Nesta hora o medo pode paralisar você e impedi-lo de viver plenamente a visão de Deus. Nesta hora é muito comum olhar para trás. Olhe para frente e vá ao encontro dos sonhos de Deus.

TENHA FÉ (v.8). Aqui é usado o verbo grego όράω = ORÁO = compreender – uma visão com fé. A visão de Deus se processa no plano espiritual. Não há garantias humanas. Somente pela fé podemos enxergar a vitória do plano de Deus (visão) em um túmulo vazio. Neste mundo tão materialista, somente pela fé você vai enxergar os abundantes frutos espirituais que Deus reservou para você. Todas as realizações humanas eram sonhos antes de se transformarem em realidade (casamentos, filhos, casa, emprego, escolas, hospitais, indústrias, igrejas, etc.).

OS SONHOS PODEM MORRER MAS OS SONHOS PODEM RESSURGIR. A ressurreição de Jesus foi para os apóstolos a ressurreição dos sonhos de Deus para eles. Depois disso a igreja começou e alcançou o mundo inteiro. Aprendemos com a Bíblia que alguns passos são necessários para renovar os sonhos de Deus:
É preciso buscar estes sonhos;
É preciso despojar-se da visão humana;
É preciso aproximar-se de Deus;
É preciso vencer o medo;
É preciso exercitar a fé;

VOLTE A SONHAR 
Você ainda tem sonhos?
Sonhos para sua família?
Sonhos profissionais?
Tem sonhos ministeriais?
Tem sonhos para a igreja?
Ainda acredita em milagres?
Tem experimentado o melhor de Deus para a sua vida?
Não deixe os seus sonhos morrerem.
Não deixe o sonho ficar no túmulo.
Que Deus renove a sua visão e os seus sonhos.